Image //www.softwaredecalibracao.com.br/wp-content/uploads/2018/03/definicao-de-criterios-de-aceitacao-dos-instrumentos-da-industria.jpg

Como definir os critérios de aceitação de instrumentos

Autor: Categoria: Indústria 11 comentários

Imprimir artigo
A cada nova revisão, percebemos que a norma ISO 9001 vem dando mais importância para os instrumentos de medição utilizados na indústria e seus critérios de aceitação. A revisão de 2015, inclusive, separou a Rastreabilidade dos outros itens, para tratar melhor desse assunto.

Pensando nisso, resolvi escrever esse artigo para explicar um pouco sobre a definição dos critérios dos instrumentos e suas avaliações.

O que a ISO 9001:2015 tem a dizer sobre o assunto

Hoje, a norma ISO 9001:2015 no item 7.1.5.1 (parte que fala sobre as Generalidades), estabelece o seguinte:

A organização deve monitorar e prover recursos necessários para assegurar resultados válidos e confiáveis quando monitoramento ou medição for usado para verificar a conformidade de produtos e serviços com requisitos.

Já no item 7.1.5.2 (parte sobre Rastreabilidade da medição), diz que:

Quando a rastreabilidade de medição for um requisito, ou for considerada pela organização parte essencial da provisão da confiança na validade de resultados de medição, os equipamentos de medição devem ser:

a) verificados ou calibrados, ou ambos, a intervalos especificados, ou antes do uso, contra padrões de medição rastreáveis a padrões de medição internacionais ou nacionais….

Esses dois requisitos nos dizem, de forma resumida, que qualquer equipamento utilizado para a fabricar ou avaliar os requisitos de um produto deve ser calibrado ou avaliado dentro de uma tolerância pré-estabelecida, que chamamos de critério de aceitação.

Mas afinal, o que são critérios de aceitação?

Critério de aceitação é um limite de quanto o seu equipamento pode estar errando nas suas medições. Significa o quanto aquele equipamento pode estar errado, sem prejudicar o seu produto final.

Não existe uma fórmula para definição de critério de aceitação, então não é possível avaliarmos se o critério está “certo” ou “errado”. Cada indústria e cada equipamento, dependendo do seu uso, vai ter seu próprio critério.

Um fator muito importante a ser levado em consideração no momento de definir um critério é a utilidade do instrumento e o quão importante ele é para garantir a qualidade final do produto. Por exemplo, para uma balança que pesa carga de toneladas em navios seria aceitável um erro de 5 kg, mas se formos pensar em uma balança analítica utilizada na composição de medicamentos, qualquer 0,01mg de erro já iria colocar em risco a vida do consumidor. Então, o ramo da empresa e o uso do equipamento é o que define se a tolerância será maior ou menor.

Outro ponto muito importante sobre a definição de critérios, é que eles não devem ser estabelecidos uma vez e utilizados por toda a vida útil do equipamento, é necessário revisar o critério de tempos em tempos para saber se ele está correto e ainda atende à especificação do instrumento.

Como avaliar o certificado de calibração

Após enviar os instrumentos para calibração, você precisa avaliar os dados do certificado, ou seja, verificar se o instrumento apresenta medições dentro do critério de aceitação. Isso irá te ajudar a identificar se é preciso enviar o instrumento para manutenção, substituí-lo por um novo ou, ainda, verificar se ele pode ser utilizado em outra etapa do processo (onde a tolerância do critério de aceitação seja maior).

Por exemplo, a empresa de saneamento da sua cidade precisa manter o nível de pH da água que vai para consumo entre 5 e 9. Digamos que essa empresa use para esse controle um pHmetro que retornou da calibração com erro de 5 pH. Obviamente, esse equipamento não poderá ter o mesmo uso, pois é um erro muito grande para a escala de controle e também pela questão da segurança do consumidor.

De qualquer forma, para avaliar um equipamento, além do erro que ele demonstrou devemos levar em consideração aspectos como:

  • o erro do padrão utilizado na calibração do instrumento;
  • a temperatura de calibração do pHmetro (indicada: 25°C);
  • a validade do certificado de calibração do padrão.

Uma dica legal é fazer a seguinte pergunta: “Quanto esse equipamento interfere no meu produto final?”. A resposta dessa pergunta será determinante na definição e validação de seu critério.

O papel do laboratório de metrologia

Muitos ficam em dúvida sobre o papel do laboratório de metrologia na elaboração e avaliação dos critérios de aceitação dos instrumentos, alguns até pensam que o laboratório é o principal responsável por esses processos. Porém, a ISO diz o contrário.

Consultando a norma ISO 17025, que é uma norma específica para os laboratórios de metrologia, percebemos que a avaliação do critério de aceitação não é parte do escopo de serviços acreditados do laboratório, e isso precisa estar descrito no certificado de calibração do instrumento. Isso porque o laboratório não tem as informações necessárias (uso do equipamento, condições de uso) para estabelecer o critério de aceitação. Essa informação é muito específica de cada indústria, por isso é de responsabilidade dela.

E se o equipamento for reprovado em seu critério?

Se algum equipamento for reprovado em seus critérios de aceitação, você não pode apenas mandar para manutenção e retornar para a linha de produção de sua fábrica, pois alguns tipos de manutenção alteram os resultados dos instrumentos.

É necessária, então, uma nova calibração do instrumento, que vai garantir que o equipamento realmente está apto para desempenhar seu papel, de acordo com informações confiáveis após a manutenção dele.

 

Bom, nesse texto vimos que sempre que utilizamos um equipamento na indústria, precisamos garantir que ele está apto para uso, e uma forma de obter essa garantia é por meio dos critérios de aceitação. Com isso, também garantimos que o produto final está saindo com a qualidade esperada pelos seus clientes.

Defina os critérios de aceitação, envie os instrumentos para calibrar e, o mais importante, avalie seus equipamentos dentro do seus critérios, sempre lembrando de revisar as tolerâncias dos instrumentos de acordo com sua interferência no produto.